5 Razões Para Deixarmos A Terra E Povoar Marte

5 Razões Para Deixarmos A Terra E Povoar Marte

Por Edezio Silva  

O Meteoroide de Cheljabinsk

Em fevereiro de 2013, a cerca de 30 km de altitude da capital da província de Cheljabinsk, na Rússia, um meteoroide entrou na atmosfera da Terra viajando a pouco mais de 19 quilômetros por segundo, um pouco mais rápido do que havia sido relatado anteriormente.

"Nossa modelagem de entrada de meteoroides mostrou que o impacto foi causado por um pedaço de rocha de 20 metros de tamanho que se fragmentou a 30 km de altitude", disse Olga Popova, líder de uma equipe internacional de pesquisadores do evento.

Um meteoroide é o objeto original, um meteoro é a "estrela cadente" no céu, e um meteorito é o objeto que chega ao chão.

O Cheljabinsk foi o maior e mais grave meteoroide a atingir a atmosfera terrestre, desde o evento de Tunguska em 1908, e graças à tecnologia moderna de hoje, desde câmeras de vídeo de populares a até avançados equipamentos e técnicas de laboratório, nos forneceu uma oportunidade, sem precedentes, para estudar tal evento, observam os autores da pesquisa publicada pela Science em novembro de 2013.

O brilho do meteoro atingiu o pico a uma altitude de 29,7 km quando o objeto explodiu. Para observadores próximos ele pareceu, brevemente, mais brilhante do que o sol e causou algumas queimaduras severas.

A equipe de pesquisadores estimou que cerca de três quartos do meteoroide evaporou quando atingiu a atmosfera terrestre. A maior parte do resto foi convertida em poeira e apenas uma pequena fração (4.000 a 6.000 quilos, ou menos de 0,05 por cento) caiu no chão como meteorito. A nuvem de poeira estava tão quente que seu brilho era laranja.

A maior peça única, com cerca de 650 quilos, foi recuperada do leito do lago Chebarkul em outubro por uma equipe da Universidade Federal Ural liderada pelo professor Viktor Grokhovsky.

Ondas de ar, provocadas pelo choque da explosão, quebraram janelas, edifícios chacoalharam e até pessoas perderam o chão de seus pés devido ao impacto. Popova e seus auxiliares visitaram mais de 50 aldeias na região de Cheljabinsk, e descobriram que a onda de choque causou danos em 90 quilômetros em ambos os lados da trajetória do meteoro. Mais de mil pessoas ficaram feridas e cerca de 20.000 edifícios sofreram danos.

Risco de Extinção

Acredita-se, amplamente, que um asteroide iniciou a extinção dos dinossauros há cerca de 65 milhões de anos.

Também, acredita-se que um corpo celeste de dimensão suficiente para provocar graves danos atingirá a Terra num futuro não muito distante. O meteoroide de Cheljabinsk foi apenas um alerta.

Infelizmente para nós, hoje, ainda não dispomos de uma tecnologia suficiente para destruir esse corpo celeste ou desviá-lo de nossas pobres cabeças.

Mas, não são somente asteroides a nossa preocupação. Erupções vulcânicas, doenças mortais, superpopulação, escassez de recursos hídricos e de alimentos podem, definitivamente, nos varrer da face da Terra.

Caminho Para Perpetuar A Espécie

Qual é o caminho então para que a humanidade possa perpetuar sua espécie?

A resposta não pode ser outra a não ser povoar outros mundos. Marte é o que, no momento, temos como opção mais viável de acordo com o bilionário Elon Musk que quer colonizar aquele planeta. É uma forma de garantir a continuidade da humanidade (supondo que acreditamos que vale a pena salvá-la).  E ele não quer que esse povoamento seja feito somente com um grupo de cientistas das mais diversas áreas do conhecimento humano. Ele quer iniciar o povoamento de Marte com 1 milhão de pessoas.

“Ou espalhamos a Terra para outros planetas, ou corremos o risco de extinção. Um evento de extinção é inevitável e estamos cada vez mais nos metendo nele. O nosso objetivo é melhorar a tecnologia de foguetes e a tecnologia espacial até que possamos enviar pessoas para Marte e estabelecer a vida por lá”, disse Musk numa conferência ao Wall Street Journal em 2013.

"Marte é muito inóspito, é verdade", Musk disse. "Trata-se de um local que precisa de muitos ‘reparos’. Primeiro teríamos que viver em domos transparentes, mas eventualmente, poderemos transformá-lo em um planeta semelhante à Terra. "

Na verdade, de acordo com Musk, temos que continuar melhorando a tecnologia de foguetes e naves espaciais, que temos hoje, ano a ano, para podermos povoar Marte. Mesmo que não consigamos, num primeiro momento, não temos outra opção a não ser tentar.

Se você gostou deste post, sinta-se à vontade para compartilhar No Twitter ou no Facebook.

 

Receba notícias e artigos surpreendentes entregues diretamente na sua caixa de entrada!


[contact-form-7 id="12059" title="Sem título"]

Fontes:

https://futurism.com/elon-musk-we-must-leave-earth-for-one-critical-reason/ http://www.spacex.com/news/2016/06/15/eutelsatabs-mission-photos http://waitbutwhy.com/2015/08/how-and-why-spacex-will-colonize-mars.html/4 https://pt.wikipedia.org/wiki/Evento_de_Tunguska