Descubra O Segredo da Tecnologia Milagrosa de Produção de Água em Israel

Descubra O Segredo da Tecnologia Milagrosa de Produção de Água em Israel

Por Edezio Silva

A técnica de dessalinização da água do mar

Não foram os israelenses que inventaram a técnica de dessalinização de água do mar para consumo humano, embora seja naquele país onde mais se utiliza esse processo para obter água potável.

Os gregos antigos já conheciam e utilizavam processos arcaicos de dessalinização e filtragem de água.

Mas, não há dúvida de que os israelenses são os que melhor utilizam a dessalinização no mundo.

Não somente essa técnica recebe uma especial atenção do governo israelense. De fato, hoje, no mundo quem melhor gerencia os seus próprios recursos hídricos é o povo de Israel.

Até mesmo o esgoto captado nas casas de todo o país é usado na produção de água de reuso. São 450 bilhões de litros por ano de água produzidos para serem utilizados nas plantações daquele país.

Hoje cerca de 40% da água consumida em Israel é extraída do mar. São 5 usinas privadas de dessalinização de água. Algumas autoridades israelenses declaram que até 2020 toda a água usada por seres humanos e animais domésticos e de manejo, será proveniente de dessalinização.

A Técnica do Gotejamento

Gotejamento, também chamado de micro irrigação, foi uma das primeiras inovações em milhares de anos na agricultura.

Em vez de inundar os campos com quantidades prodigiosas de água e fertilizantes, muitos dos quais são desperdiçados, pequenas quantidades, de ambos, são gotejadas, diretamente, sobre as raízes das plantas.

Essa técnica foi desenvolvida pelo israelense Simcha Blass que em 1966, em uma joint venture com o Kibbutz Hatzerim - assentamento agrícola israelense localizado no deserto de Negev - introduziu o primeiro sistema de irrigação por gotejamento do mundo.

São atribuídos à técnica do gotejamento um melhor aproveitamento dos recursos hídricos, um maior desenvolvimento das plantas e menor emissão, nas plantações de arroz e tomate, de gases do efeito estufa e o indesejado óxido nitroso. Esse último, tido como responsável pelo aumento exagerado de algas mortas em lagos e porções de água em processo de eutrofização.

A empresa israelense Netafim proclama que a técnica de gotejamento economiza entre 25% e 75% de água bombeada em comparação com a inundação, em média. Assim, o agricultor usa menos água, fertilizantes e, por vezes, menos pesticidas. Os aquíferos sofrem menos poluição química. As colheitas rendem mais (aproximadamente 15% mais, dizem Netafim e alguns peritos) e os preços dos alimentos caem.

Novas Tecnologias para aprimorar a técnica do gotejamento

Hoje em dia, existem tecnologias que ajustam o gotejamento. Por exemplo, sensores que, quando alojados no tronco de uma árvore, medem o estresse hídrico da planta, e não o do solo. Seria como se o sensor informasse quando a árvore está com “sede” e não quando o solo está seco.

A maioria das técnicas de irrigação "inteligentes" hoje medem o nível de água no solo, explica Anat Solomon Halgoa, presidente da empresa Saturas, que desenvolve sensores de gotejamento. Mas o que conta é se a planta está com sede, não se o solo está seco. Assim, ela explica, mesmo a irrigação inteligente é uma “besta cruel” em termos de desperdício de água. Não há feedback sobre a quantidade de água que a planta está realmente utilizando.

Atualmente o protótipo do sensor é um pouco grande, 2,5 centímetros de diâmetro, adequado apenas para árvores e videiras maduras. A empresa Saturas está trabalhando na miniaturização e prevê um dispositivo com diâmetro final de 5-8 milímetros, o que também seria adequado para plantas como tomate, algodão e assim por diante, Solomon Halgoa diz.

Qual o segredo de Israel para não faltar água onde ela é tão escassa?

Mas o que, de fato, fez com que Israel, um país onde 60% de sua área é desértica e o restante é árida, se tornasse um país autossuficiente em relação à água?

De acordo com especialistas no assunto foi a gestão dos recursos hídricos.

O fato é que a água não está desaparecendo do planeta Terra, mas está sendo, muitas vezes, mal distribuída ou mal utilizada, dizem especialistas de Israel. O que os israelenses fizeram ao longo de décadas foi gerir esse recurso de tal forma a se evitar o desperdício. Também, foram feitos esforços para buscar a água das mais diversas formas, seja através da abertura de poços profundos, dessalinização da água do mar, reuso de água de esgoto (cerca de 72% do esgoto é reutilizado).

A escassez de recursos hídricos, como a que ocorreu na região sudeste do Brasil, foi motivada pela má gestão da água.

A questão é que em lugares onde houve um crescente aumento de população houve, também, um declínio do suprimento de água per capita. Isso devido a desperdícios provocados por uma infraestrutura decadente, além de pouca visão gerencial por parte de governantes, interesses pessoais e corporativos por parte de particulares.

A água existe, mas precisa ser usada com inteligência e muita sensatez.

Imagens:

Saturnas sensor embedded in a tree Crédito a Anat Solomon Halgoa A técnica de gotejamento em Israel Avishai Finkelstein

Fontes:

http://www.haaretz.com/israel-news/science/1.698275

Unlike America, Israel gets 30 percent of its water from the ocean.

Posted by ATTN: on Thursday, December 8, 2016