Haverá poucos e poucos trabalhos que um robô não possa fazer melhor que nós humanos

Haverá poucos e poucos trabalhos que um robô não possa fazer melhor que nós humanos

Edezio Silva  

Robôs x Humanos

As taxas de robôs por trabalhador humano nas indústrias crescem rapidamente.

Na Coréia do Sul já são 4,78 robôs para cada 100 trabalhadores humanos, no Japão essa taxa chega a 3,14 e nos EUA 1,64.

Enquanto o número de robôs nas fábricas cresce, caem os custos da implementação da automação pelo mundo. Nesse aspecto é grande a preocupação com a extinção de postos de trabalho que estão sendo cada vez mais ocupados por autômatos e sistemas integrados de automação.

Os riscos de extinção de emprego em função da implementação da robotização são preocupantes no mundo, sobretudo nos países em desenvolvimento. Na Etiópia 88% dos empregos estão sob risco de serem extintos, no Nepal o risco chega a 80% e a média mundial é de 57%.

No mundo desenvolvido os riscos de extinção de postos de trabalho em virtude da robotização, não são muito menores. Em cidades americanas como Fresno na Califórnia o risco está em 53%, em Las Vegas 49% e em Nova York 40,7%.

Com estatísticas tão terríveis o que pode ser feito pelos trabalhadores ao redor do mundo?

Renda Básica Universal

“O que deve ser feito com o desemprego em massa? Isso será um desafio social importante. Eu penso que a automação implicará na implantação de uma Renda Básica Universal, eu não acho que tenhamos uma outra escolha. Eu entendo que isso será necessário. Haverá poucos e poucos trabalhos que um robô não possa fazer melhor. Não são coisas que eu desejo que aconteçam, mas são aquelas que eu entendo que irão acontecer. ” Essas palavras preocupantes foram proferidas pelo bilionário sul-africano Elon Musk durante o evento World Government Summit 2017 em Dubai.

Com o crescente desaparecimento de postos de trabalho pelo mundo, uma das formas de preservar os trabalhadores humanos seria a implementação dessa renda básica a que todas as pessoas, independentemente de suas origens, situação econômico-financeira, credos ou aspirações políticas, deveriam receber.

Alguns projetos semelhantes já estão sendo implementados pelo mundo entre eles:

-Cerca de 2000 Finlandeses estão recebendo, desde janeiro deste ano, uma renda básica universal equivalente a 560 euros (R$1922,00);

-O governo do Quênia está experimentando o fornecimento de uma renda anual de US$1,000/ano, em uma aldeia rural no oeste do país. Esse programa piloto teve início em outubro passado;

-Cerca de 4.000 Participantes de baixa renda na província canadense de Ontário, receberão pagamentos mensais para avaliar se o programa pode proporcionar estabilidade e mudanças positivas. Pessoas solteiras receberão até US$ 12.570, enquanto os casais receberão US$ 17.530, anualmente. Todos os participantes continuarão recebendo outros benefícios sociais já em vigor, conforme o caso.

Elon Musk proprietário da SpaceX

Quanto irá custar a Renda Básica Universal

Isso obviamente irá variar de país para país e com quanto se pretende investir nessa ideia. Num país como os EUA irá custar algo em torno de 3,2 trilhões de dólares, cada participante recebendo algo em torno de US$10,000.  

Conheça as soluções para um mundo sem política, pobreza e guerra

Nem tudo está perdido e o mundo ainda pode ser salvo da automação, do capitalismo selvagem e dos extremismos de esquerda ou de direita. Isso é o que demonstram algumas ações capazes de tornar a vida mais humana, menos competitiva.

O Projeto Venus, do projetista industrial e engenheiro social Jacque Fresco, propõe uma visão alternativa do que o futuro pode ser se aplicarmos o que já sabemos para alcançar uma nova civilização sustentável do mundo. Ele exige um redesenho simples de nossa cultura, no qual as antigas inadequações da guerra, da pobreza, da fome, da dívida e do sofrimento humano desnecessário são vistas não apenas como evitáveis, mas como totalmente inaceitáveis. Qualquer coisa menos resultará em uma continuação do mesmo catálogo de problemas inerentes ao mundo de hoje.

O centro de pesquisa do projeto Venus

Seu centro de pesquisa é uma propriedade de 21 acre (85,000 m2) que contêm várias construções de seu design, onde eles trabalham em livros e filmes para demonstrar seus conceitos e ideias. Fresco produziu um extenso número de modelos em pequena escala baseados em seus desenhos, bem como várias edificações construídas com base em seus conceitos de simplicidade, sustentabilidade e estética. Com edifícios em forma de [domo] altamente resistentes e eficientes, separados por lagos, jardins e trilhas projetados de maneira que de uma construção não seja possível ver a outra, dando a oportunidade à frequentes visitantes de vislumbrar um pouco do mundo do amanhã de Fresco. O Projeto Venus foi incorporado em 1995.

O projeto foi fundado na ideia de que a pobreza é causada pela sufocação do progresso da tecnologia, causada pelo sistema econômico mundial baseado no lucro e as instituições conservadoras que nele se apoiam.

Os domos do projeto Venus

Por que os primeiros edifícios projetados para o projeto Venus em forma de cúpula? A cúpula requer a menor quantidade de material para encerrar uma determinada área. Ele oferece facilidade de fabricação e pré-fabricação. É a forma de força máxima e estabilidade. Quando projetada corretamente, a abóbada pode suportar cargas extremamente altas do vento e é resistente aos terremotos, às térmitas, aos roedores, e ao fogo. Acima de tudo, sendo construído de concreto, preserva nossas florestas.

As cúpulas utilizam betão armado, que está prontamente disponível e fácil de fabricar. É bem isolado e à prova de som. Ele oferece um potencial ilimitado de configuração de design livre.

A natureza evoluiu a configuração da abóbada como o recinto o mais eficiente para o cérebro humano; Assim, poderia dizer-se que todos nós vivemos em cúpulas!

 

Fontes:

http://basicincome.org/topic/kenya/ https://www.youtube.com/watch?v=7Lre6GxiQUE
Home